Dani Yukari, Artista Plástica

Foi na galeria WARM São Paulo que por acaso encontramos com a Dani Yukari. Ela estava lá, no canto ajeitando os seus vasos em uma estante. E curiosas que somos, logo fomos perguntar se eram delas, os vasinhos minimalistas cool. Sim, foi a resposta (é incrível como quando a gente conhece a pessoa por trás de um produto, passamos a entender melhor as razões para certos detalhes). Logo nos apaixonamos pelo tom simples, porém notável de suas peças.

Você sempre foi uma menina artística? Como começou sua história com a cerâmica?
Eu sempre gostei de tudo que envolve criação e visuais. Comecei criança, na aula de artes da escola e em aulas de pintura, artesanato e dança. Na carreira profissional, dei o start com a moda/indumentária e fui ficando curiosa com as áreas gráficas, as manuais, até que veio a necessidade de mexer com outros materiais plásticos. Em 2014 uma amiga que pintava cerâmicas me ensinou os primeiros passos, e o que era para ser um hobby acabou me impulsionando para caminhos mais extensos.

O que você estudou e qual foi o seu primeiro emprego?
Sou formada em Desenho de Moda e trabalhei 3 anos em uma marca de moda feminina de São Paulo, onde entrei estagiária e saí estilista. Foi uma escola.

 

Objeto no Espaço

Em seu projeto final na faculdade de Desenho de Moda, Dani viu no espaço como o ambiente que inspira aquele que cria. O ambiente envolto era tão importante quanto a coleção de moda que criou.

E como foi fazer das artes plásticas/cerâmica a sua profissão?
Tem sido um mergulho constante em minhas inspirações. É maravilhoso poder colocar no mundo vontades tão particulares. Trabalhar com a cerâmica da forma como eu trabalho é terapêutico, existe o tempo para ser processual, sem um mercado te cobrando entregas para ontem.

Como é a a sua rotina diária?
O meu estilo de vida hoje foge de qualquer rotina. Cerâmica é um dos projetos em que faço aquilo que acredito, a valorização do trabalho feito com as mãos. Além dela, tenho outras atividades ligadas ao fazer manual e processual, e também aquelas outras que ajudam a pagar as contas. Ser autônoma e freelancer tem a vantagem de poder fazer a própria agenda, mesmo que isso signifique ter que trabalhar de sábado e domingo de vez em quando.

Onde você procura por inspiração?
As pequenas coisas do dia-a-dia são as que mais me afetam, aquele acontecimento que provoca um desvio no tempo e te faz ficar com ele, pensando. Além disso, livros, filmes, música e minha casa são sempre inspirações para mim.

A sua estética é minimalista e moderna, apesar de ter um aspecto “handmade” que faz a maior diferença.  Você acha que as pessoas estão dando mais valor ao feito-à-mão no Brasil?   
Acho que o mercado que valoriza o produto feito a mão vem crescendo no mundo. É só olhar a quantidade de feiras/pop-ups com esse perfil que surgiram nos últimos anos. Chegou-se a um tempo tão acelerado que o ser humano está pedindo por desaceleração e criando novos modos de negócio, priorizando o slow e o handmade.

Qual a maior dificuldade de ser artista? E a parte mais bacana?  
A dificuldade ainda é a valorização de um trabalho que é subjetivo. O consumidor comum entende o valor do produto pelo que é apresentado na prateleira, então como entender que atrás de uma obra existe o processo de pesquisa, estudos, leitura, exercícios?
Inquietações e questionamentos são o que movem o artista, é o incômodo o combustível para que ele continue produzindo. É aquela “dor e delícia de ser o que é” (Caetano Veloso).

O objeto veste o espaço assim como a indumentária veste o corpo

- Dani Yukari

Yūkari

Algumas de suas peças podem ser encontradas na galeria WARM São Paulo na Vila Madalena, seu primeiro cliente de cerâmica, e por encomenda pelo instagram @danielle.yukari

Quanto tempo demora para fazer um vaso? Conta pra gente um pouco do seu processo, da ideia até a peça finalizada?
Escolho as peças pensando sua composição no espaço. Sempre penso nelas em conjunto, com variações de alturas e formas (exceto quando é uma encomenda e as peças já são escolhidas pelo cliente). O desenho e as cores estão atrelados à série em que estou trabalhando no momento. Com a peça ‘pronta’ (depois da primeira queima), é preciso lixar para corrigir pequenas imperfeições da argila. Então vem a pintura, depois o verniz e a segunda queima. O processo todo demora cerca de 3 semanas, porque a argila tem um tempo de secar antes de ir para o forno, um tempo de acabamento.

Sonho que ainda deixa você acordada antes de dormir…
Conseguir ter a estabilidade financeira e profissional fazendo somente projetos que acredito, que envolvem processo e criação.

O que você diria para a Dani de 21 anos?
Siga o seu desejo e a sua intuição, mesmo que para isso você precise fazer negociações com o mundo. Aqui não é só flores, pode ser que você precise se envolver naquilo que não acredita tanto para poder realizar seus ideais. Mas é quando você descobre essa engrenagem que a vida toda anda.

– Dani Yukari foi fotografada por Juliana Kang na Vila Madalena em São Paulo.