Afra Colodette & Andrea Bellucci, Bellucci Gelateria

Foi amor à primeira vista. Não da Afra pelo Andrea, ou vice-versa. Mas nosso pelo gelato da Bellucci Gelateria. Já conhecíamos o autêntico gelato artesanal italiano e ver que isso chegou até Fortaleza foi uma surpresa. Maior surpresa foi saber que o Andrea, italiano com o coração fincado no Ceará, é alérgico à lactose, o que talvez explique a quantidade de sabores de sorbetto – sem leite – queridinhos da galera que procura um equilíbrio nas escolhas diárias! Conversamos com o casal que tem uma história que parece ter sido escrita para dar certo –

Como vocês se conheceram?

Afra: Fui fazer pós-graduação em Moda na Itália, e depois fui passar uns 3 meses na Irlanda para melhorar o meu inglês. Ele é italiano mas trabalhava no mercado financeiro na Irlanda. Nos conhecemos no avião. Com a coleção do meu TCC, ganhei o concurso “Who’s the Next” da Vogue de novos talentos, e fiquei um pouco mais pela Europa. Depois voltei ao Brasil para abrir a minha marca e namoramos à distância por 1 ano e meio.

E fazer gelato, era um sonho antigo?

Afra: A mãe do Andrea é bióloga nutricionista. Ele cresceu com essa preocupação de se alimentar bem. Ele sempre teve a paixão pelo gelato. Durante um período de férias do trabalho, o Andrea foi pra Universidade do Gelato em Bologna, na Itália. Depois de estudarmos o mercado de gelato em Fortaleza, percebemos que não existia um local que fizesse um gelato artesanal com essa preocupação com a matéria prima. E isso foi a desculpa que a gente encontrou para ficar junto! Então unimos tudo isso em uma coisa só, a Bellucci nasceu assim.

Como foi a mudança para Fortaleza?

Andrea: Pelo trabalho, sempre morei em cidades grandes. Fortaleza é uma cidade grande mas tem um estilo de vida de cidade pequena. Esse lado da qualidade de vida é bem melhor. Temos todos os problemas que as cidades brasileiras possuem, mas temos que saber viver bem em qualquer lugar.

Afra: O Andrea é quase um cearense! Ele tem o maior orgulho de morar aqui.

Andrea: Quando estava quase fechando um contrato de trabalho em São Paulo para trabalhar no mercado financeiro, pensei, não vou pro Brasil para morar em São Paulo, vou mudar totalmente a minha vida.

Pozzetti

Mesmo com a produção diária de gelato, é preciso ter a melhor forma de armazenar o produto. A tecnologia chamada de Pozzetti esconde o gelato da luz e preserva o sabor e a temperatura correta.

Conta mais sobre a influência da sua mãe com a alimentação e como você consegue aplicar isso na Bellucci?

Andrea: Na verdade a gente tenta trabalhar com as coisas que gostamos na nossa vida real. Por exemplo, sorvete. A gente não queria fazer um sorvete qualquer, mas um sorvete mais elaborado, que seja de certa forma mais ligado à alimentação saudável. Isso faz parte da nossa vida. Com minha mãe, ela trabalha como médica que encontra a cura através do alimento. Então na nossa casa na Itália, ela tem uma horta e cultiva tudo o que comemos. No final, sempre cresci com essa ideia de ter uma vida mais saudável em todos os aspectos e gosto muito da área da saúde.

Soubemos de uma hitória de um erro muito feliz que resultou na mudança de um dos sabores da Bellucci, confirma?

Andrea: A gente comprava doce de leite da Argentina, era o produto que estávamos menos contente de todos os ingredientes. Todo gelato tem uma base que é uma mistura de leite e açúcar, nós pausteurizamos essa mistura e deixamos descansar por uma noite. Mas um dia, a nossa funcionária Mika deixou essa base cozinhando por toda noite, por 13 horas. Cheguei de manhã na cozinha e tinha um cheiro de queimado. Ao invés da base estar branca, estava marrom. Provamos e era melhor do que o doce de leite que usávamos no sabor “Mou Bellucci”. Agora os clientes não querem mais trocar. Eu tentei colocar o doce de leite que usávamos antes, e todos não querem mais.

Legítimo Gelato

A fruta chega na Bellucci em forma natural, respeitando a sazonalidade de cada fruta. O leite chega da fazenda e é pasteurizado dentro de casa. Os ingredientes são selecionados pela qualidade, e não pelo preço. O resultado disso é o verdadeiro gelato italiano artesanal.

Quais são as dificuldades que vocês enfrentam, como empreendedores no Brasil?

Andrea: Fornecedores. Por exemplo o cacau é o ingrediente mais difícil de ter acesso no Brasil. Aqui quando falamos em chocolate todo mundo pensa em chocolate belga. A gente tá em um país onde teoricamente tem a matéria prima, mas não temos acesso, porque aqui as pessoas se acostumam sempre com o que vem de fora. Trabalhar com fornecedores brasileiros é mais complicado do que trazer da Europa, pois falta consistência na qualidade. Mas aos poucos vamos nos adaptando. Nosso cacao por exemplo é feito de uma mistura de 3 origens diferentes: da Bahia, da Amazônia, e da África.

Você pensa em voltar para a moda Afra?

Afra: Penso nisso as vezes mas sou muito feliz com a Bellucci. Uma maneira que encontrei de permanecer na minha área é fazer projetos paralelos. Sinto que sempre vou estar conectada com a moda, mas não diretamente com uma marca. A gente tem um projeto que chamamos de “Multi Bellucci”, onde forneço esse espaço da Bellucci para novos talentos, novas marcas. Quando eu tinha a minha marca, era díficil ter um ponto de venda. Agora que temos esse espaço, é o meu maior prazer fazer essa conexão. Na minha opinião a moda é uma forma de comunicação.

O que você, Andrea, mais gosta de Fortaleza, e o que você, Afra, mais sente falta da Itália?

Andrea: Como já falei a qualidade de vida. A possibilidade do dia-a-dia que você pode desfrutar, a proximidade da praia, o clima… Morei em Dublin onde chove todo dia!

Afra: A comida, com certeza. E essa questão da Europa ser um museu a céu aberto. Sinto muita falta de visitar um museu, ver uma exposição.

– Afra e Andrea foram fotografados por Babi Guedes em Fortaleza.

Comments are closed.